UM CORRE, UMA MEMÓRIA, UM SEGUNDO DIA (por Maria Prado de Oliveira) - FIDS

UM CORRE, UMA MEMÓRIA, UM SEGUNDO DIA (por Maria Prado de Oliveira)

  05, May, 2022

  2 Comentários

Na Bahia, muita gente fala que está num “corre danado” quando estamos com muitas atividades, correndo pra lá e pra cá para dar conta de tudo que precisamos fazer num dia. Num Festival artístico o corre é danadíssimo… Oficinas, palestras, espetáculos para apreciar, para comentar… Se presencial, a gente corre de um Teatro para outro, de um espaço para outro, a gente quer ver tudo, nem sempre conseguimos. Nesta segunda edição do FIDS, online, o querer ver tudo e seguir na tela acompanhando as mais de 50 atividades em 7 dias também nem sempre é possível, mas o que for visto vai ficar na memória, o que não for visto, no meu caso, vou ler o que minhas companheiras do Corpo das Escritoras escreveram, nas suas palavras tão significativas e tocantes, para mergulhar no que não vi. Em dois dias, o FIDS entrou com muita força e beleza nos nossos corres!… O segundo dia começou com uma palestra preciosa da Curadora do Festival, a magnífica Denise Stoklos, falando de “Memórias”, dizendo deixar o passado para trás mas com os aprendizados alojados dentro dela na pulsação da sua presença de agora. Palestras de Denise são filosofia na acepção mais profunda do termo, são poesia porque a Artista está sempre inteira nas suas falas com muita profundidade, são boas risadas porque o bom humor nunca abandona a clown que habita nela, são ensinamentos pois a educadora sempre vibra generosamente para nos passar conhecimentos. No meu corre neste segundo dia, tendo que resolver outras atividades profissionais, saltei dessa palestra pela manhã para, à noite, assistir pela primeira vez no palco à colossal Anna Deavere Smith, norte-americana que arrebatou todas as pessoas que estavam assistindo, um deslumbramento de força, pesquisa, coragem, conteúdo e performance no palco. Uma divindade da cena que diz ser “gêmea artística” de Denise Stoklos. E são mesmo, ambas esplendorosas, divinas, divindades da cena, repito! E esta apresentação ainda foi regada com uma tradução simultânea da atriz luminosa Sabine Villatore, que, como disse a nossa Mestríssima Denise, foi muito além da tradução, performou ao lado de Anna. Uma lindeza! Bendito seja este “corre” do FIDS! Evoé!

2 comentários

commenter

Denise Stoklos

3 months ago

Maria queridíssima!
Que texto precioso! Sua capacidade em tudo o que faz me impressiona! Sua presença enaltece o FIDS. Obrigada por tudo, por tanto! Beijos!
Denise

commenter

MARIA PRADO DE OLIVEIRA

3 months ago

E como a gente agradece A SUA GENEROSIDADE depois de ler este comentário, Denise amada?
com qual palavra, qual afago, para quem faz tanto pela Arte brasileira e do mundo, tanto para elevar as ideias Artísticas e existenciais como um todo para tanta gente?
Como agradecer a alguém que eleva a educação ATRAVÉS DA Arte de maneira tão sublime?
Como A GENTE AGRADECE?

Comentários estão fechados.